Especialista comenta decisão do STJ que pode proibir aluguel de imóvel por plataformas digitais

Especialista comenta decisão do STJ que pode proibir aluguel de imóvel por plataformas digitais

Especialista comenta decisão do STJ que pode proibir aluguel de imóvel por plataformas digitais 150 150 Super Anfitrião
                <span class="h4">
                    <span itemprop="datePublished">27/04/2021 | 17h00min</span>
                </span>

Foto: divulgação

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por maioria de votos, que a hospedagem por curta duração de tempo e em contrato não regulado por legislação — que é o caso do Airbnb — pode ser vetada por prédios residenciais. “Esta é uma primeira decisão e não tem caráter de aplicação geral, mas é um marco para este tema, pois ainda não havia nenhuma definição de órgão superior de Justiça que fosse tão importante”, explica o especialista em direito imobiliário e condominial, Vladimir Miná, da Miná & Alves Advocacia.

Segundo ele, aquisição de  imóveis para fins de investimento e locação por aplicativos para curta temporada são, sem dúvidas, tendência de mercado, o que pode gerar bons lucros. No entanto, o condômino deve ponderar o seu direito de propriedade com a finalidade social dela. “Se tratando de condomínio residencial, o bom senso deve prevalecer sobre os demais aspectos”, pontua Vladimir.

“O proprietário que deseja realizar este tipo de contrato de locação, não deve perturbar o sossego e a segurança dos demais. É importante evitar a alta rotatividade de hóspedes e orientá-los quanto às normas condominiais. A medida mais resolutiva cabe ao condomínio para estabelecer todas as regras em assembleia geral”, explica o advogado. 

Caso Airbnb – De acordo com o especialista, ficou deliberado, no caso específico do Rio Grande do Sul, que havia abuso do direito de propriedade. “A sugestão que fazemos é que verifiquem as convenções e, caso seja proibido, não poderá locar. Já se não houver menção, e o condomínio quiser fazer possível, aconselhamos a alteração da convenção”, alerta Vladimir.

O especialista destaca que a decisão do STJ não proibiu o uso do Airbnb ou qualquer plataforma de locação por curta temporada, mas sim o abuso de direito de quem utiliza, fazendo disto um negócio. “Nesse caso, constatou-se que se tratava de uma atividade comercial, portanto, desviava a finalidade residencial”, explica.

Vladimir conta que há diversos processos similares em curso e as decisões e dos tribunais a respeito do caso, até então, têm sido divergentes sobre o assunto. “Nosso entendimento é de que, por se tratar de direito privado, a vontade das partes deve prevalecer. Uma vez que, atendendo às exigências de maiorias específicas previstas no regulamento e no Código Civil, optem pela proibição ou permissão deste tipo de locação, esta resolução deverá ser respeitada”, enfatiza.

Em nota, a plataforma manifestou-se contrária às condutas tomadas pela condômina que transformou seus apartamentos em hostel. Para o advogado, a decisão do STJ não torna o tipo de locação intermediado pelo Airbnb ilegal, nem configura atividade hoteleira. “O Airbnb possui interesse indireto na demanda, mas não pode interpor recursos, pois não é a parte litigante do processo”, aponta.

Fonte: http://www.paraibatotal.com.br/noticias/2021/04/27/74192-especialista-comenta-decisao-do-stj-que-pode-proibir-aluguel-de-imovel-por-plataformas-digitais

O que achou? Deixe seu comentário:

💼 Explore o setor com nossas soluções: invista em uma franquia Super Anfitrão! 

X
error: Conteúdo indisponível.